Pular para o conteúdo principal

Lidando com a Ansiedade

O que eu geralmente faço quando estou ansiosa:

Esse negócio de crescer é massa né? A gente sempre tem essa mania de reclamar da vida e como ela passa rápido e como era bom quando eu tinha 15 anos, mas a realidade é que eu bem queria estar aqui hoje, com 21 anos, começando a tomar as rédeas da minha vida e conhecendo muito mais de mim mesma do que quando eu tinha 15 anos e só queria, sei lá, dar uns bejo.

Mas, como todas as coisas da vida não são agradáveis e floridas, crescer vem acompanhado de alguns probleminhas que, se não levados da melhor forma, podem se tornar UM PROBLEMÃO, CORRE! Pra mim e acredito que pra você também, um deles (um dos constantes) é a ansiedade. Eita palavrinha danada de ruim. Só de falar dá uns tremeliques. 

Quando eu era mais nova, não que eu seja velha, você entendeu, a ansiedade vinha em momentos muito específicos ou normais. Era quando ia ter um passeio massa da escola, era quando eu ia viajar com minha família e reencontrar minhas amigas, essas coisinhas simples. Mais tarde, depois que eu comecei a trabalhar e estudar, a ansiedade bateu na forma da famosa "crise dos 20", aquela que te faz questionar "por que você não está rica dominando o mundo com milhões na conta?"; mas a maior delas veio quando eu me mudei de uma casa para um apartamento com minha família e meu cachorrinho Marley não se adaptou ao novo local. Foram 2 meses de muito choro e tentativas, brigas e até minha menstruação atrasou por causa desse acontecido. No fim das contas eu percebi que o melhor seria doá-lo para alguém com mais espaço e, infelizmente, foi o que eu fiz.

Desde então eu comecei a compreender como meu corpo reagia ao meu psicológico e isso fez muita diferença na minha vida pois eu pude compreender, também, de que forma eu poderia sair da crise. A ansiedade pode vir associada a várias coisas, mas ultimamente meu gatilho tem sido a vida profissional e os rumos que preciso tomar para encaminhar tudo da melhor forma possível. 

Durante o mês de agosto (o primeiro mês em que fiquei efetivamente em casa) ela bateu bonito em forma de acusação, e eu vivia/vivo me perguntando o que eu estou fazendo para chegar aonde eu quero chegar e isso tem me consumido um pouco. Não que os questionamentos sejam ruins, mas ao menor sinal de procrastinação eu já fico pirada, e isso não é saudável.

O que acontece quando eu fico ansiosa?
* Eu fico irritada, muito irritada;
* Eu começo a falar mal de mim mesma;
* Eu começo a lamentar a minha vida e fazer comparativos;
* Eu começo a comer como se fosse o último dia da minha vida;
* Meu fluxo menstrual atrasa.
* É MUITO RUIM, CREDO.

E com isso voltamos ao início do texto, quando eu falei que é muito legal se conhecer por que aí, quando eu identifico que a ansiedade tá batendo na porta com certa força, eu começo a bolar meu plano pra mandar ela embora e esse plano consiste em: DEFINIR UMA ROTINA E SEGUI-LA. 

Sabe aquela ideia Xovem e contemporânea de que o bom da vida é não ter rotina? MENTIRA. Até por que uma vida sem rotinas é um tipo de rotina de vida, sacou? Eu saquei isso recentemente. E aí eu percebi que precisava definir meus horários, que acordar às 10 da manhã não é o ideal se você precisa tocar algumas coisas na sua vida e tudo mais. 

Sendo assim, eu comecei a firmar horários para acordar, ler, fazer exercícios, preparar o almoço, estudar e cuidar de mim. E tem sido ótimo. Funciona "JUST IN TIME" todos os dias? Claro que não. Tem dias que eu fico assistindo um programa massa (MasterChef) até 1:00am e aí minha rotina matinal vai pelo ralo, mas tudo bem, só não pode virar um padrão. 

Gostei muito de um texto da Maki, do Desancorando, que fala um pouco sobre porque se organizar é tão legal e pra mim, um dos melhores motivos é "parar de falar mal de mim mesma". Outro aspecto interessante é o de poder sentir que sua vida está sob seu controle, não nas mãos das circunstâncias ou do momento. Claro que é muito mais que isso e as circunstâncias influenciam muito, mas a sensação de auto-controle é divina de tão boa.

Enfim, pra mim é assim que funciona. Pouco a pouco a gente vai se compreendendo mais e tornando essa convivência interna, e consequentemente a externa, muito mais harmoniosa e gostosinha pra todo mundo ao redor.


Postagens mais visitadas deste blog

Não é Solidão, é Solitude.

"Entende-se por solitude o pleno contado consigo mesmo. Isso quer dizer que não há a necessidade de estar sempre em companhia de outras pessoas e não há solidão por isso. Esta pessoa está bem com ela em tempo integral, mas convive muito bem com os outros. Veja que há um contato direto consigo mesmo, podendo passar vários dias em um lugar sozinho e se sentindo pleno; mas há também uma plenitude ao estar com alguém."  (via: Maura De Albanesi)
Veja bem, eu gosto de estar na companhia das pessoas que eu amo. Mesmo. Me sinto completa com barulho de família ao meu redor. Quando rola, adoro passar tempo de qualidade com os amigos e/ou com o namorado. Mas eu também sinto um prazer indescritível no silêncio. 
Tipo agora. Estou em casa, são 10:08AM, minhas irmãs ainda estão dormindo e a casa está silenciosa, por hora. Eu posso fechar os olhos e respirar fundo. Sinto uma paz imensa. Me faz bem. Eu curto a minha própria companhia e já recusei saídas por ela (eu/mim). 
Eu costumo brincar…

TOP 4 Girls Crush da FICÇÃO

E aí Internet!
Dispensando toda a enrolação inicial de blogueira não assídua, hoje vamos falar sobre xoxotas poderosas na ficção! Já rolou um post aqui no ano passado sobre 3 GIRLS maravilhosas da ficção e da vida real e eu não vou repeti-las pra você ir lá depois e fortalecer a amizade, hehe.
Sem mais delongas, XXT PWR!

#1. CRISTINA YANG
Hello Grey's Anatomy! De todas as (poucas) séries que assisti e personagens que conheci, Cristina foi a que mais marcou, sem dúvida. Apesar de não ser a personagem principal da série, ela roubou a cena por muitas temporadas e foi ótimo. Mais apaixonada pela profissão do que qualquer outra coisa ou alguém, ela não tinha medo de dizer que era a melhor e, o mais incrível: Ela realmente acreditava nisso. E era.  Em poucas palavras: ACREDITE NO SEU PODER E OS OUTROS TAMBÉM IRÃO.

#2. KATNISS EVERDEEN
Jogos Vorazes é minha trilogia preferida por motivos de: Katniss. Devorei os três livros na época do ensino médio e era intensa a identificação com essa ga…

A síndrome do "início sem fim" e atualizações - Querido Diário Otário #2

Dispensando a lorota inicial de blogueira irresponsável que não posta nada a mais de um mês, vim aqui (finalmente) falar sobre um problema que eu tenho que está intimamente ligado ao fato de eu não postar nada aqui a mais de um mês, risos. 
Meu apelido carinhoso para esse probleminha é a síndrome do "início sem fim". Veja bem, eu adoro ter ideias novas, começar coisas, pensar em como fazer algo, traçar os caminhos, definir os objetivos, me empolgo com a ideia de dar certo e tudo mais. Mas aí, por algum motivo que eu ainda não descobri qual é, eu paro. Isso já aconteceu com vocês? Por que acontece comigo sempre. Com o blog, com a vida, com tudo, sabe? E eu acho que eu ficaria menos mal se isso tivesse um motivo; mas o fato de não ter me deixa bem chateada por que eu simplesmente não sei por que eu não estou fazendo as coisas que eu queria estar fazendo!
- AFF Ramina, é só ir lá e fazer!
É o que eu sempre digo para os outros. E é bem verdade que quando se trata de mim mesma o …