Pular para o conteúdo principal

The Handmaid's Tale: Uma distopia não tão distópica assim

Eu já devo ter falado por aqui que eu não sou muito aplicada nas séries. Principalmente aquelas em que eu já estou 7 temporadas atrasada, DO NOT EVEN TRY. Mas porém contudo entretanto todavia, algumas vezes eu sou arrebatada por alguma série muito específica e isso, muitas vezes, se dá pelo assunto abordado. The Handmaid's tale foi uma dessas e o melhor de tudo é que o pacote foi perfeito por ter apenas um temporada com 10 episódios de aprox. 1h cada.



Meu primeiro contato com a série foi através do Podcast Mamilos, inclusive melhor indicação se você gosta de conteúdo atual e comentado por gente inteligente que chega doer. O tema em questão era "Precisamos falar sobre aborto, Uber, Lollapalooza", se não me engano, ouvi por alto o nome da série, me interessei pela sinopse e resolvi assistir assim que possível.

Do que a série trata? A série é uma adaptação do livro "O conto da Aia" (Margareth Atwood) e se passa nos EUA, num futuro distópico, onde a sociedade como vemos atualmente não existe mais, o poder se concentra nas mãos de homens sedentos por poder e status e as mulheres de um modo geral não possuem mais direitos como trabalhar, ler, dirigir, andarem livremente pelas ruas, etc. Como a taxa de fertilidade caiu brutalmente devido a diversos fatores, muitas mulheres (consideradas férteis) são selecionadas para se tornarem Handmaid's (servas) nas casas dos chamados comandantes: homens que são casados porém possuem esposas inférteis. Então, conforme a bíblia relata no antigo testamento, essas servas seriam usadas para gerar os filhos da família. Ou seja, todo mês, no que chamamos o "período fértil" da mulher, elas são submetidas à chamada "cerimônia", um ato sexual totalmente mecânico e isento de prazer, apenas para fim reprodutivo.



Em outras palavras: BIZARRO.

Eu costumo me apaixonar por produções apaixonantes. Aquelas que dão um quentinho no coração e fazem a gente acreditar no amor e tudo mais. Mas, ao contrário do que sempre esperamos, The Handmaid's tale me causou incômodo do começo ao fim. Quando comecei a entender a realidade daquelas mulheres, fiquei atônita. A produção trata de uma forma tão real e brutal que é impossível não ficar pensando depois e refletindo sobre como essa realidade, apesar de ser distópica, chega a ser tão próxima do que vivemos atualmente.

*ALERTA MINI SPOILER*

Existe uma cena em questão em que o comandante está conversando com a Offred, personagem principal da série, e ele comenta que esse "novo" sistema libertou as mulheres de todas as opressões (como indústria da beleza e padrões de corpos) para que elas pudessem cumprir seu papel no mundo: reproduzirem. Eu juro que nessa hora eu ri de desespero.
Por que o que a sociedade ainda pensa, mesmo que em uma "menor" proporção, atualmente?
Mulheres são criadas para serem mães e isso é um papel vital que irá completar validar a vida delas.


Cada episódio é como um soco no estômago e eu cheguei a entrar em desespero (chorar muito) em um dos últimos. Assistir se torna uma ótima oportunidade para rever nossos conceitos com relação à várias questões muito atuais na sociedade.

Além de todas as abordagens que a série faz, a fotografia foi pensada de maneira espetacular, com nuances entre passado e presente, realmente dá gosto de observar.

Tá beleza Ramina, mas onde eu assisto? THAT'S A GOOD QUESTION. A série foi produzida pela plataforma de streaming Hulu (tipo um Netflix americano) e, até onde eu sei, não está disponível na versão dublada. Logo, eu vou deixar sua imaginação funcionar.

Pra finalizar, por mais que eu tenha escrito a beça e resumido boa parte do contexto, vou deixar uns links de textos alternativos para vocês entenderem um pouco mais e aguçarem a curiosidade:

* PAPEL POP
* VALKIRIAS

Bora desgraçar a cabeça juntos?! Eu confio em vocês!


Postagens mais visitadas deste blog

Não é Solidão, é Solitude.

"Entende-se por solitude o pleno contado consigo mesmo. Isso quer dizer que não há a necessidade de estar sempre em companhia de outras pessoas e não há solidão por isso. Esta pessoa está bem com ela em tempo integral, mas convive muito bem com os outros. Veja que há um contato direto consigo mesmo, podendo passar vários dias em um lugar sozinho e se sentindo pleno; mas há também uma plenitude ao estar com alguém."  (via: Maura De Albanesi)
Veja bem, eu gosto de estar na companhia das pessoas que eu amo. Mesmo. Me sinto completa com barulho de família ao meu redor. Quando rola, adoro passar tempo de qualidade com os amigos e/ou com o namorado. Mas eu também sinto um prazer indescritível no silêncio. 
Tipo agora. Estou em casa, são 10:08AM, minhas irmãs ainda estão dormindo e a casa está silenciosa, por hora. Eu posso fechar os olhos e respirar fundo. Sinto uma paz imensa. Me faz bem. Eu curto a minha própria companhia e já recusei saídas por ela (eu/mim). 
Eu costumo brincar…

"O mínimo para viver" e a constante exaltação do corpo magro

"- Eu estava saindo do meu apartamento um dia e uma pessoa que eu conheço há muito tempo, da idade da minha mãe, me disse: Olha para você! Eu tentei explicar que emagreci por causa de um papel, mas ela continuou: Não, eu quero saber o que você está fazendo, você parece ótima! Eu entrei no carro com a minha mãe e disse: É por isso que existe o problema." - Lily Collins, em entrevista para a revista The Edit.

"O mínimo para viver" é um filme original da Netflix (que por sinal, vem arrasando nas produções ultimamente) que fala sobre distúrbios alimentares. Há algum tempo eu havia feito o download no aplicativo para ver num momento oportuno. Daí que hoje, num intervalo de 2 horas de espera no curso da minha irmã, eu resolvi assistir pra matar o tempo e cheguei à conclusão de que não poderia ter feito melhor escolha.

Ellen (Lily Collins) é uma garota de 20 anos que sofre de anorexia. Por causa de seu temperamento conturbado e difícil, ela foi expulsa de diversas clínicas …

TOP 3 "Boys Crush" de toda minha vida (fictícios ou não)

A melhor parte de ser blogueira, apesar de eu ainda não me encaixar bem nesse termo (e também não imaginar outro melhor do que esse para me definir), é poder colocar a imaginação para funcionar em temas como o de hoje. A ideia veio deste post no blog da Tati; lá ela fez com garotas da ficção, aqui vou fazer com os boys, sejam eles fictícios ou não, e depois a gente faz uma edição especial pras garotas (quem sabe amanhã).

Mas primeiro, um esclarecimento: A ideia de "crush" pra mim é muito pessoal e intransferível. A maioria das pessoas entendem o crush como uma pessoa por quem você alimenta uma paixão platônica. Eu entendo o crush como alguém por quem você possui uma admiração massa, uma vontade de trocar ideia, fazer amizade, etc. No caso do post de hoje, vou falar nos dois sentidos, então vamos usar as seguintes definições: CRUSH LOVE e CRUSH FRIENDZONE.

Simbora!


#1: CAIO CASTRO (Crush Friendzone)


O Caio é algo recente na minha vida (tipo 2013). Eu sei. Pasmem. Ano passado e…