Pular para o conteúdo principal

"Aceitamos o Amor que imaginamos merecer"

Ontem, numa proposta da minha irmã do meio de vermos um filme juntas, assistimos "As vantagens de ser invisível". Já havia visto esse filme há muito tempo, ocasião em que a mensagem passada por ele não me impactou nem um pouco e ele não passou de um filme sem graça que eu tive o azar de escolher entre tantos "legais".

Mas dessa vez foi diferente. E se você nunca assistiu, aqui vai um breve resumo da história:
Charlie (Logan Lerman) é um jovem que tem dificuldades para interagir em sua nova escola. Com os nervos à flor da pele, ele se sente deslocado no ambiente. Seu professor de literatura, no entanto, acredita nele e o vê como um gênio. Mas Charlie continua a pensar pouco de si... Até o dia em que dois amigos, Patrick (Ezra Miller) e Sam (Emma Watson), passam a andar com ele.


Charlie, também conhecido como Percy Jackson (hehe)

Lendo apenas a sinopse do filme, você pode achá-lo meio sem graça mesmo. Mas a forma como Charlie e os outros personagens são explorados ao longo da trama é muito sensível e reveladora. Mas onde eu quero chegar? Quero chegar ao título do texto de hoje.

Em certo momento do filme, Charlie descobre estar apaixonado por Sam. Ela namora um rapaz mais velho, que já está na universidade, e aparentemente eles se gostam muito. Porém, numa breve conversa, Charlie descobre o tipo de babaca que o namorado e Sam é. Depois desse momento, ao final de uma de suas muitas aulas de literatura, Charlie indaga seu professor sobre o por que de pessoas tão legais quase sempre se apaixonarem por pessoas idiotas, agressivas, "não legais". E então ele responde: "Aceitamos o Amor que imaginamos merecer".

Fiquei pensando nessa frase de ontem pra hoje, e como esse texto é fresquinho (escrevo e posto imediatamente, vulgo atrasada), resolvi falar sobre ela. 

"Aceitamos o Amor que imaginamos merecer".

Isso me faz voltar ao meu texto sobre relacionamentos, sobre o ponto de conhecermos a nós mesmos e acima disso, amarmos a nós mesmos. Ouso dizer que antes que esses dois pontos estejam presentes em nossa vida, não seremos capazes de amar e sermos amados de forma plena e saudável. Porém, me entenda, não estou falando de egoísmo. Falo mais sobre sinceridade e sobre a capacidade de atrair coisas boas para si e passar coisas boas aos outros.

A bíblia diz que devemos "amar o nosso próximo como a nós mesmos"(Marcos 12:31). Logo, o exercício de amor próprio vem antes do amor ao outro, não deve ser inferior ou superior e sim na mesma medida.

A partir daí, aceitaremos o amor que merecermos e nos tornaremos o personagem principal da nossa vida. E por último (porém entenda isso primeiro, antes de tudo): Existe alguém que te ama acima de qualquer coisa ou pessoa. Aceite esse amor transcendente e seja completo o suficiente, a ponto de não precisar de mais nada.





Até amanhã.




Postagens mais visitadas deste blog

Não é Solidão, é Solitude.

"Entende-se por solitude o pleno contado consigo mesmo. Isso quer dizer que não há a necessidade de estar sempre em companhia de outras pessoas e não há solidão por isso. Esta pessoa está bem com ela em tempo integral, mas convive muito bem com os outros. Veja que há um contato direto consigo mesmo, podendo passar vários dias em um lugar sozinho e se sentindo pleno; mas há também uma plenitude ao estar com alguém."  (via: Maura De Albanesi)
Veja bem, eu gosto de estar na companhia das pessoas que eu amo. Mesmo. Me sinto completa com barulho de família ao meu redor. Quando rola, adoro passar tempo de qualidade com os amigos e/ou com o namorado. Mas eu também sinto um prazer indescritível no silêncio. 
Tipo agora. Estou em casa, são 10:08AM, minhas irmãs ainda estão dormindo e a casa está silenciosa, por hora. Eu posso fechar os olhos e respirar fundo. Sinto uma paz imensa. Me faz bem. Eu curto a minha própria companhia e já recusei saídas por ela (eu/mim). 
Eu costumo brincar…

"O mínimo para viver" e a constante exaltação do corpo magro

"- Eu estava saindo do meu apartamento um dia e uma pessoa que eu conheço há muito tempo, da idade da minha mãe, me disse: Olha para você! Eu tentei explicar que emagreci por causa de um papel, mas ela continuou: Não, eu quero saber o que você está fazendo, você parece ótima! Eu entrei no carro com a minha mãe e disse: É por isso que existe o problema." - Lily Collins, em entrevista para a revista The Edit.

"O mínimo para viver" é um filme original da Netflix (que por sinal, vem arrasando nas produções ultimamente) que fala sobre distúrbios alimentares. Há algum tempo eu havia feito o download no aplicativo para ver num momento oportuno. Daí que hoje, num intervalo de 2 horas de espera no curso da minha irmã, eu resolvi assistir pra matar o tempo e cheguei à conclusão de que não poderia ter feito melhor escolha.

Ellen (Lily Collins) é uma garota de 20 anos que sofre de anorexia. Por causa de seu temperamento conturbado e difícil, ela foi expulsa de diversas clínicas …

TOP 3 "Boys Crush" de toda minha vida (fictícios ou não)

A melhor parte de ser blogueira, apesar de eu ainda não me encaixar bem nesse termo (e também não imaginar outro melhor do que esse para me definir), é poder colocar a imaginação para funcionar em temas como o de hoje. A ideia veio deste post no blog da Tati; lá ela fez com garotas da ficção, aqui vou fazer com os boys, sejam eles fictícios ou não, e depois a gente faz uma edição especial pras garotas (quem sabe amanhã).

Mas primeiro, um esclarecimento: A ideia de "crush" pra mim é muito pessoal e intransferível. A maioria das pessoas entendem o crush como uma pessoa por quem você alimenta uma paixão platônica. Eu entendo o crush como alguém por quem você possui uma admiração massa, uma vontade de trocar ideia, fazer amizade, etc. No caso do post de hoje, vou falar nos dois sentidos, então vamos usar as seguintes definições: CRUSH LOVE e CRUSH FRIENDZONE.

Simbora!


#1: CAIO CASTRO (Crush Friendzone)


O Caio é algo recente na minha vida (tipo 2013). Eu sei. Pasmem. Ano passado e…