Pular para o conteúdo principal

O Constante Processo de Auto-sabotagem


Tava aqui assistindo uns videozinhos nessa internet de meu deus e, dos assuntos que mais gosto de ouvir falar, empoderamento (EMPODERAMENTO) é um deles.

No mês das mulheres esse ano, aconteceu no Youtube um projeto muito lindo, liderado pela Jout Jout, sobre mulheres criadoras. A ideia era empoderar meninas e mulheres a se jogarem nesse mundão da criação de conteúdo, já que mesmo depois de todo esse tempo, a grande massa da internet é masculina. Nessa jornada de gravação, rolou um papo legalzíssimo com a Ana de Cesaro sobre assuntos diversos e, entre eles, a auto-sabotagem. Daí surgiu a ideia deste post.

Mas por quê? Eu percebi que ao longo deste tempo remoendo e remoendo a ideia de criar ou não um blog, escrever ou não na internet, eu estava em nada menos que uma jornada de auto-sabotagem. Não é fácil admitir isso ao mesmo tempo em que é muito nítido quando você ouve falar. Não estamos todos numa jornada de auto conhecimento e sabotagem ao mesmo tempo? O que dizer dos vários sonhos que temos e tocamos fora como pequenas nuvens sem importância? E aquela tentativa de mudança que já é frustrada antes mesmo de sair da cabeça o mínimo que seja?

Claro que existe toda aquela questão da fantasia versus realidade. Nem tudo que a gente sonha é realmente palpável e existe todo um processo antes que determinado pensamento se torne realidade (sim, a gente entende). Mas, o processo destrutivo começa quando pequenas coisas, como criar um blog, se tornam muito difíceis simplesmente por que você não confia no seu potencial criativo! esse é um textão de eu pra mim, acima de tudo

Pensando nisso me vem à mente uma coisa que não sei quem disse ou quando ouvi (nossa, bela referência), de que precisamos começar a olhar as coisas pelo lado bom e não pelo lado ruim. Vamos fazer uma experimentação, né?

TÔ MAL, INSATISFEITA, INFELIZ E QUERO MUDAR DE EMPREGO!
O que não pensar:
* Caraca, tem crise! Não vou conseguir outro emprego (vulgo: Vô nem procurar!!)
* Nossa, e se eu não me estabilizar?! (vulgo: Vô nem procurar!!)
* Putz, mas olha meu tempo de empresa! Vou perder dinheiro a beça! (vulgo: Vô nem procurar!!)

O que pensar:
* Nossa, vai dar certo! Vou me planejar!
* Caraca, vai ser incrível, imagina?!
* Eu posso pedir um acordo na minha empresa atual quando tudo der certo! Né?
* SIM! SIM! SIM! Vamos tentar!!!!!

Viu?! É aquela política do copo meio cheio e não meio vazio.

Beleza, a gente sabe que não é fácil olhar as coisas pelo lado bom e ser otimista sempre, mesmo diante a situação difícil que muitas vezes passamos. Mas não é tentador conhecer histórias e mais histórias de gente que "chutou mesmo o pau da barraca" e no final se deu bem? O que te impede de ser um deles? O que ME impede de ser um deles? Provavelmente eu mesmo e todo meu pessimismo. Esse não é um discurso pra você largar o emprego e ver no que dá, é um discurso sobre dar uma chancinha, pequenina, pra sua verdadeira vontade, ao invés de afogar seus desejos em desculpas tão fajutas!
 
Vamos dar as mãos?





Postagens mais visitadas deste blog

Não é Solidão, é Solitude.

"Entende-se por solitude o pleno contado consigo mesmo. Isso quer dizer que não há a necessidade de estar sempre em companhia de outras pessoas e não há solidão por isso. Esta pessoa está bem com ela em tempo integral, mas convive muito bem com os outros. Veja que há um contato direto consigo mesmo, podendo passar vários dias em um lugar sozinho e se sentindo pleno; mas há também uma plenitude ao estar com alguém."  (via: Maura De Albanesi)
Veja bem, eu gosto de estar na companhia das pessoas que eu amo. Mesmo. Me sinto completa com barulho de família ao meu redor. Quando rola, adoro passar tempo de qualidade com os amigos e/ou com o namorado. Mas eu também sinto um prazer indescritível no silêncio. 
Tipo agora. Estou em casa, são 10:08AM, minhas irmãs ainda estão dormindo e a casa está silenciosa, por hora. Eu posso fechar os olhos e respirar fundo. Sinto uma paz imensa. Me faz bem. Eu curto a minha própria companhia e já recusei saídas por ela (eu/mim). 
Eu costumo brincar…

TOP 4 Girls Crush da FICÇÃO

E aí Internet!
Dispensando toda a enrolação inicial de blogueira não assídua, hoje vamos falar sobre xoxotas poderosas na ficção! Já rolou um post aqui no ano passado sobre 3 GIRLS maravilhosas da ficção e da vida real e eu não vou repeti-las pra você ir lá depois e fortalecer a amizade, hehe.
Sem mais delongas, XXT PWR!

#1. CRISTINA YANG
Hello Grey's Anatomy! De todas as (poucas) séries que assisti e personagens que conheci, Cristina foi a que mais marcou, sem dúvida. Apesar de não ser a personagem principal da série, ela roubou a cena por muitas temporadas e foi ótimo. Mais apaixonada pela profissão do que qualquer outra coisa ou alguém, ela não tinha medo de dizer que era a melhor e, o mais incrível: Ela realmente acreditava nisso. E era.  Em poucas palavras: ACREDITE NO SEU PODER E OS OUTROS TAMBÉM IRÃO.

#2. KATNISS EVERDEEN
Jogos Vorazes é minha trilogia preferida por motivos de: Katniss. Devorei os três livros na época do ensino médio e era intensa a identificação com essa ga…

A síndrome do "início sem fim" e atualizações - Querido Diário Otário #2

Dispensando a lorota inicial de blogueira irresponsável que não posta nada a mais de um mês, vim aqui (finalmente) falar sobre um problema que eu tenho que está intimamente ligado ao fato de eu não postar nada aqui a mais de um mês, risos. 
Meu apelido carinhoso para esse probleminha é a síndrome do "início sem fim". Veja bem, eu adoro ter ideias novas, começar coisas, pensar em como fazer algo, traçar os caminhos, definir os objetivos, me empolgo com a ideia de dar certo e tudo mais. Mas aí, por algum motivo que eu ainda não descobri qual é, eu paro. Isso já aconteceu com vocês? Por que acontece comigo sempre. Com o blog, com a vida, com tudo, sabe? E eu acho que eu ficaria menos mal se isso tivesse um motivo; mas o fato de não ter me deixa bem chateada por que eu simplesmente não sei por que eu não estou fazendo as coisas que eu queria estar fazendo!
- AFF Ramina, é só ir lá e fazer!
É o que eu sempre digo para os outros. E é bem verdade que quando se trata de mim mesma o …