Pular para o conteúdo principal

Meu fone Azul com detalhe Vermelho

Uns mundo paralelo, né mesmo?

Eu sou uma grande consumidora de fones de ouvido. Isso por que eles me acompanham 25 horas por dia e, como a vida útil desses acessórios é bem pequena, acabo trocando a cada dois ou três meses. 

Na páscoa desse ano eu estava prestes a fazer essa transição de fones (mais uma vez) e calhou de existir um ovo de páscoa que vinha com headphones. Juntei a fome com a vontade de comer (ou ouvir, nesse caso) e comprei o bendito. Já imaginava que a vida dele também seria curta, mas peguei mesmo assim. O grande detalhe desta narrativa é que o fone era de uma coleção juvenil, então as cores eram gritantes e variavam entre verde limão, rosa e azul (e TODOS tinham um detalhe gritante em vermelho). Dos males o menor, escolhi o azul (escuro). 

Eu não sou uma pessoa de sentir vergonha de algo que eu esteja usando, mas o fone azul com detalhe vermelho me fazia ser notada e isso me deixava envergonhada. Não sei exatamente o motivo, mas eu sentia que todos estavam olhando pra mim, mesmo que às 6:00 AM as pessoas estejam, literalmente, "cagando" umas pras outras. Parei pra refletir sobre esse sentimento e cheguei à seguinte conclusão: 

A GENTE QUER SER DIFERENTE, MAS NÃO QUER SER NOTADO.

O que é, no mínimo, contraditório, por que quando nos dispomos a ser diferentes, seremos facilmente notados e questionados. E isso não acontece apenas com fones de ouvido, mas também com estilo de vida, desconstruções, posicionamentos e com qualquer outra coisa que fuja do padrãozinho socialmente aceitável.

Uma Mulher Maravilha por dia...

A questão é que precisamos aceitar os questionamentos da mudança e sustentar nossos desejos de revolução. Eu não tenho uma conclusão ótima pra esse texto por que isso é algo que precisa ser trabalhado todos os dias.

Vamos todos juntos usar esses fones azuis com detalhe vermelho.

Stay Strong,

Mina.
YOU GO GIRL!

Postagens mais visitadas deste blog

Não é Solidão, é Solitude.

"Entende-se por solitude o pleno contado consigo mesmo. Isso quer dizer que não há a necessidade de estar sempre em companhia de outras pessoas e não há solidão por isso. Esta pessoa está bem com ela em tempo integral, mas convive muito bem com os outros. Veja que há um contato direto consigo mesmo, podendo passar vários dias em um lugar sozinho e se sentindo pleno; mas há também uma plenitude ao estar com alguém."  (via: Maura De Albanesi)
Veja bem, eu gosto de estar na companhia das pessoas que eu amo. Mesmo. Me sinto completa com barulho de família ao meu redor. Quando rola, adoro passar tempo de qualidade com os amigos e/ou com o namorado. Mas eu também sinto um prazer indescritível no silêncio. 
Tipo agora. Estou em casa, são 10:08AM, minhas irmãs ainda estão dormindo e a casa está silenciosa, por hora. Eu posso fechar os olhos e respirar fundo. Sinto uma paz imensa. Me faz bem. Eu curto a minha própria companhia e já recusei saídas por ela (eu/mim). 
Eu costumo brincar…

"O mínimo para viver" e a constante exaltação do corpo magro

"- Eu estava saindo do meu apartamento um dia e uma pessoa que eu conheço há muito tempo, da idade da minha mãe, me disse: Olha para você! Eu tentei explicar que emagreci por causa de um papel, mas ela continuou: Não, eu quero saber o que você está fazendo, você parece ótima! Eu entrei no carro com a minha mãe e disse: É por isso que existe o problema." - Lily Collins, em entrevista para a revista The Edit.

"O mínimo para viver" é um filme original da Netflix (que por sinal, vem arrasando nas produções ultimamente) que fala sobre distúrbios alimentares. Há algum tempo eu havia feito o download no aplicativo para ver num momento oportuno. Daí que hoje, num intervalo de 2 horas de espera no curso da minha irmã, eu resolvi assistir pra matar o tempo e cheguei à conclusão de que não poderia ter feito melhor escolha.

Ellen (Lily Collins) é uma garota de 20 anos que sofre de anorexia. Por causa de seu temperamento conturbado e difícil, ela foi expulsa de diversas clínicas …

TOP 3 "Boys Crush" de toda minha vida (fictícios ou não)

A melhor parte de ser blogueira, apesar de eu ainda não me encaixar bem nesse termo (e também não imaginar outro melhor do que esse para me definir), é poder colocar a imaginação para funcionar em temas como o de hoje. A ideia veio deste post no blog da Tati; lá ela fez com garotas da ficção, aqui vou fazer com os boys, sejam eles fictícios ou não, e depois a gente faz uma edição especial pras garotas (quem sabe amanhã).

Mas primeiro, um esclarecimento: A ideia de "crush" pra mim é muito pessoal e intransferível. A maioria das pessoas entendem o crush como uma pessoa por quem você alimenta uma paixão platônica. Eu entendo o crush como alguém por quem você possui uma admiração massa, uma vontade de trocar ideia, fazer amizade, etc. No caso do post de hoje, vou falar nos dois sentidos, então vamos usar as seguintes definições: CRUSH LOVE e CRUSH FRIENDZONE.

Simbora!


#1: CAIO CASTRO (Crush Friendzone)


O Caio é algo recente na minha vida (tipo 2013). Eu sei. Pasmem. Ano passado e…