Pular para o conteúdo principal

Coisa de Blogueirinha #3 - TAGS, EU ADORO TAGS

Venhamos e convenhamos internet, eu não sou uma pessoa aplicada nem na escrita, nem na leitura de blogs nessa internet (vai mudar, eu sei que a minha vida vai mudar). Mas, quando eu vejo TAGS, eu fico meio ansiosa pra postar por motivos de: GOSTO. Daí que a Ana Luíza, do Blogue Starships ans Queens, respondeu essa TAG e deixou a gente livre pra responder também! (JAMAIS iria responder sem ela me marcar, tsc tsc).


A tag consiste em, basicamente, dizer 11 fatos sobre mim, algo que na minha mente parece muito difícil, mas veremos, e responder algumas perguntas feitas pela Ana depois, facin demais!
Sem mais delongas, relaxa e vem saber um pouco mais sobre a minha vida sem ter perguntado nada!




1. Eu sou apaixonada por gatos, porém não tenho nenhum por motivos de: Moro de aluguel em apertamento com mais 4 pessoas. Nem preciso explicar mais.

2. Até hoje eu não sei responder a pergunta: "O que você quer ser quando crescer?", mas dentro desse pacote da profissão ideal, eu quero duas palavras: FLEXIBILIDADE e DINAMISMO. Façam suas apostas.

3. Eu faço absolutamente TUDO ouvindo música. Inclusive, a última tela de celular que quebrei foi por causa desse vício (ele caiu no chão do banheiro quando puxei minha toalha).

4. Eu namoro a 7 anos 11 meses e 8 dias, hoje.

5. Meu primeiro dente e meu cabelo só nasceram depois que completei 1 ano de idade. Imagine uma criança careca e banguela que já andava aos 10 meses, devia ser assustador.

6. Eu alisei meu cabelo aos 10 anos (ele é cacheado), eu não gostava dele. Achava lindo cabelos lisos e loiros (eu não pintei de loiro, calma), olhos claros e pele clara também. Depois de 4 ou 5 anos eu tive um corte químico e resolvi fazer o BC pra retornar aos cachos. REPRESENTATIVIDADE cacheada, obrigada.

7. Depois de velha eu vim me dar conta do quanto eu não me curtia quando era adolescente. Eu nunca fui a mais bonita, nem a mais legal e sempre achava que deveria ser um tipo X de pessoa para chamar atenção (quase sempre dos meninos), mas naquela época isso era tão "natural" e sutil que eu não sentia o impacto que me causava.

8. Meu primeiro celular foi um CHING LING rosa que era carinhosamente apelidado de "caixa de barata", na época. Ele tinha um alto falante MUITO potente, e eu adorava por motivos de "item 3 dessa lista".

9. Antes de começar a faculdade eu me gabava de NUNCA JAMAIS EM HIPÓTESE NENHUMA dormir de tarde. Hoje, meus amigos, que vergonha de mim e da minha capacidade de lucidez diária.

10. Eu me mudei para o ES aos 10 anos (eu morava na Bahia) e desde então já mudei de casa 9 FUCKING VEZES (tenho 21 anos).

11. Eu não tenho mais emprego, mas tenho trabalho (muito, muito trabalho).

11 PERGUNTAS DA ANA
1. Qual seu livro favorito e por quê? Meu livro favorito é Orgulho e Preconceito. Desde que li a primeira vez fiquei encantada com a narrativa, com o romance singelo e, é claro, com a capacidade da Elizabeth de ser uma mulher muito à frente de seu tempo. Engraçado que, na primeira leitura, eu nunca havia tido contato com pautas feministas ou qualquer outro tema relacionado, então acho que esse foi o livro que me introduziu ao "querida, não sou obrigada a nada".
2. Se pudesse ser a personagem de alguma série, qual ser? Eu não sou muito aplicada nas séries. Mas eu seria Blair Waldorf com um pouco menos de bad vibes no sangue.
3. Não devemos perder tempo com…? Opiniões que não nos acrescentam em NADA. E fidget spinner.
4. O que acha de problematizações no geral e qual foi a problematização mais bizarra que você já viu? Acho que elas são necessárias, pois assim abrimos espaço para discussão sadia e conhecimento necessário. E a problematização mais bizarra que eu vi foi a dos minions e por que entre eles não havia nenhuma garota, sei lá, achei meio desnecessário, porém NO JUGMENTS.
5. Você se considera uma pessoa boa? Mais com os outros do que comigo mesma, infelizmente.
6. O pior defeito que uma pessoa pode ter e que você também tem? Enrolação.
7. Qual sua opinião sobre o show do Harry Styles com ingressos sendo vendidos com quase um ano de antecedência e esgotando em seis fucking minutos? Eu não iria nem se esgotasse em 6 meses, não por que não gosto, mas por que não tenho "tempo" mesmo.
8. Um lugar do mundo que adoraria conhecer. Noruega, só pra ver as Orcas.
9. Do que mais se orgulha na sua vida até aqui? De ter largado meu último emprego. Assim, tem 4 dias, talvez eu mude de ideia (haha).
10. Existe algum sonho de infância que você ainda pretende realizar? Ajudar animais de rua de forma efetiva (manter um abrigo, contribuir mensalmente, essas coisas).
11. O que Taylorene e Katy Perry deveriam estar fazendo ao invés de perder tempo com uma treta ridícula? Um Feat.
Então é isso meninas, respondam aí, se quiserem, e me chamem pra ler tudinho. Beijos e até a próxima!


SPOILER: Tô fazendo planilha de organização e tudo pra esse Blogue, eita Giovanna, aguardem...

Postagens mais visitadas deste blog

Não é Solidão, é Solitude.

"Entende-se por solitude o pleno contado consigo mesmo. Isso quer dizer que não há a necessidade de estar sempre em companhia de outras pessoas e não há solidão por isso. Esta pessoa está bem com ela em tempo integral, mas convive muito bem com os outros. Veja que há um contato direto consigo mesmo, podendo passar vários dias em um lugar sozinho e se sentindo pleno; mas há também uma plenitude ao estar com alguém."  (via: Maura De Albanesi)
Veja bem, eu gosto de estar na companhia das pessoas que eu amo. Mesmo. Me sinto completa com barulho de família ao meu redor. Quando rola, adoro passar tempo de qualidade com os amigos e/ou com o namorado. Mas eu também sinto um prazer indescritível no silêncio. 
Tipo agora. Estou em casa, são 10:08AM, minhas irmãs ainda estão dormindo e a casa está silenciosa, por hora. Eu posso fechar os olhos e respirar fundo. Sinto uma paz imensa. Me faz bem. Eu curto a minha própria companhia e já recusei saídas por ela (eu/mim). 
Eu costumo brincar…

"O mínimo para viver" e a constante exaltação do corpo magro

"- Eu estava saindo do meu apartamento um dia e uma pessoa que eu conheço há muito tempo, da idade da minha mãe, me disse: Olha para você! Eu tentei explicar que emagreci por causa de um papel, mas ela continuou: Não, eu quero saber o que você está fazendo, você parece ótima! Eu entrei no carro com a minha mãe e disse: É por isso que existe o problema." - Lily Collins, em entrevista para a revista The Edit.

"O mínimo para viver" é um filme original da Netflix (que por sinal, vem arrasando nas produções ultimamente) que fala sobre distúrbios alimentares. Há algum tempo eu havia feito o download no aplicativo para ver num momento oportuno. Daí que hoje, num intervalo de 2 horas de espera no curso da minha irmã, eu resolvi assistir pra matar o tempo e cheguei à conclusão de que não poderia ter feito melhor escolha.

Ellen (Lily Collins) é uma garota de 20 anos que sofre de anorexia. Por causa de seu temperamento conturbado e difícil, ela foi expulsa de diversas clínicas …

TOP 3 "Boys Crush" de toda minha vida (fictícios ou não)

A melhor parte de ser blogueira, apesar de eu ainda não me encaixar bem nesse termo (e também não imaginar outro melhor do que esse para me definir), é poder colocar a imaginação para funcionar em temas como o de hoje. A ideia veio deste post no blog da Tati; lá ela fez com garotas da ficção, aqui vou fazer com os boys, sejam eles fictícios ou não, e depois a gente faz uma edição especial pras garotas (quem sabe amanhã).

Mas primeiro, um esclarecimento: A ideia de "crush" pra mim é muito pessoal e intransferível. A maioria das pessoas entendem o crush como uma pessoa por quem você alimenta uma paixão platônica. Eu entendo o crush como alguém por quem você possui uma admiração massa, uma vontade de trocar ideia, fazer amizade, etc. No caso do post de hoje, vou falar nos dois sentidos, então vamos usar as seguintes definições: CRUSH LOVE e CRUSH FRIENDZONE.

Simbora!


#1: CAIO CASTRO (Crush Friendzone)


O Caio é algo recente na minha vida (tipo 2013). Eu sei. Pasmem. Ano passado e…