Pular para o conteúdo principal

"Before We Go" e o lance de NÃO criar expectativas. Nunca.

Não era amor filmaço, era cilada.

Qualé mesmo?! Cês tão boa?

Voltei nesse paraíso desabitado para falar sobre um filme! Olha só, acho que temos um conteúdo aqui não é mesmo?

*Uma breve história introdutória*

Existe no youtube um clipe amador da música "Happier" do Ed Sheeran, que é muito fofinho e intercala cenas do filme "Before We Go" (2014) cujo ator principal é o bonitão que faz o Capitão América, mais conhecido como Chris Evans (descobri agora que ele também dirigiu o filme. Ainda bem que ele é ator, por que como diretor, poor guy). Daí, vi as cenas do clipe, fucei comentários para saber que filme era aquele, descobri que filme era, criei o quê: EXPECTATIVAS.

*Acabou a história, de forma trágica*

Contextualizando vocês sobre o filme, Chris Evans, ao lado de Alice Eve, interpretam Nick e Brooke. Nick é um músico meio decepcionado amorosamente que está tocando numa estação de metrô quando se depara com Brooke, que acabou de ser roubada e deixada apenas com um ticket do metrô para Boston (cujo metrô mesmo acabou de partir), ou seja, ela está meio que perdida, sem ter para onde ir. Ele, como todo bom garoto em filme, oferece ajuda, que inicialmente é recusada por puro orgulho, por que né? Não pode ser fácil. 

Depois de um breve diálogo eles se unem para encontrar a bolsa dela, e essa brincadeira leva a noite toda (o filme todo se passa durante a noite, com as mesmas roupas) o que faz com que eles se conheçam um pouco e abram questões pessoais da vida, etc.

*Esqueci de dizer que tem Spoiler!*

Existe todo um contexto amoroso no filme. Ele tem esperanças de voltar com uma ex-namorada e ela está num conflito com o marido, que a traiu há algum tempo. O fato é que, por causa desses conflitos pessoais, em minha concepção, não rolou nenhum clima entre os personagens do filme, sabe? Eles não se apaixonaram, só se tornaram bons amigos. Mas aí, já no final do filme rola um beijo meio que sem contexto e no dia seguinte eles voltam para a estação para que ela pegue o metrô perdido na noite passada. É um filme sem final, eu não sei como explicar, vai lá e assiste!

*Fico meio nervosa, desculpa*


Mas, como tudo na vida gera aprendizado, vamos tirar coisas boas deste filme:

* Os atores são umas gracinhas, não é mesmo? (beeeem padrão hollywood, vamos lidar com isso);
* A fotografia é ótima, aquela pegada noturna, meio envelhecida, uma graça;
* A trilha sonora, que estou ouvindo para escrever este post, também é boa, olha só!
* As frases de efeito, também rendem ótimas legendas no Instagram;
* Só isso mesmo.

REFLEXÃO: Como em tudo na vida, não vamos criar expectativas né? Mesmo que o ator seja conhecido e famoso por bons filmes, todos cagamos algumas vezes na vida. Não é a primeira vez que isso acontece comigo, é a segunda. A primeira foi com "O casamento do meu EX" (arrepio só de lembrar dos minutos perdidos).

*Té*

Postagens mais visitadas deste blog

Não é Solidão, é Solitude.

"Entende-se por solitude o pleno contado consigo mesmo. Isso quer dizer que não há a necessidade de estar sempre em companhia de outras pessoas e não há solidão por isso. Esta pessoa está bem com ela em tempo integral, mas convive muito bem com os outros. Veja que há um contato direto consigo mesmo, podendo passar vários dias em um lugar sozinho e se sentindo pleno; mas há também uma plenitude ao estar com alguém."  (via: Maura De Albanesi)
Veja bem, eu gosto de estar na companhia das pessoas que eu amo. Mesmo. Me sinto completa com barulho de família ao meu redor. Quando rola, adoro passar tempo de qualidade com os amigos e/ou com o namorado. Mas eu também sinto um prazer indescritível no silêncio. 
Tipo agora. Estou em casa, são 10:08AM, minhas irmãs ainda estão dormindo e a casa está silenciosa, por hora. Eu posso fechar os olhos e respirar fundo. Sinto uma paz imensa. Me faz bem. Eu curto a minha própria companhia e já recusei saídas por ela (eu/mim). 
Eu costumo brincar…

TOP 4 Girls Crush da FICÇÃO

E aí Internet!
Dispensando toda a enrolação inicial de blogueira não assídua, hoje vamos falar sobre xoxotas poderosas na ficção! Já rolou um post aqui no ano passado sobre 3 GIRLS maravilhosas da ficção e da vida real e eu não vou repeti-las pra você ir lá depois e fortalecer a amizade, hehe.
Sem mais delongas, XXT PWR!

#1. CRISTINA YANG
Hello Grey's Anatomy! De todas as (poucas) séries que assisti e personagens que conheci, Cristina foi a que mais marcou, sem dúvida. Apesar de não ser a personagem principal da série, ela roubou a cena por muitas temporadas e foi ótimo. Mais apaixonada pela profissão do que qualquer outra coisa ou alguém, ela não tinha medo de dizer que era a melhor e, o mais incrível: Ela realmente acreditava nisso. E era.  Em poucas palavras: ACREDITE NO SEU PODER E OS OUTROS TAMBÉM IRÃO.

#2. KATNISS EVERDEEN
Jogos Vorazes é minha trilogia preferida por motivos de: Katniss. Devorei os três livros na época do ensino médio e era intensa a identificação com essa ga…

A síndrome do "início sem fim" e atualizações - Querido Diário Otário #2

Dispensando a lorota inicial de blogueira irresponsável que não posta nada a mais de um mês, vim aqui (finalmente) falar sobre um problema que eu tenho que está intimamente ligado ao fato de eu não postar nada aqui a mais de um mês, risos. 
Meu apelido carinhoso para esse probleminha é a síndrome do "início sem fim". Veja bem, eu adoro ter ideias novas, começar coisas, pensar em como fazer algo, traçar os caminhos, definir os objetivos, me empolgo com a ideia de dar certo e tudo mais. Mas aí, por algum motivo que eu ainda não descobri qual é, eu paro. Isso já aconteceu com vocês? Por que acontece comigo sempre. Com o blog, com a vida, com tudo, sabe? E eu acho que eu ficaria menos mal se isso tivesse um motivo; mas o fato de não ter me deixa bem chateada por que eu simplesmente não sei por que eu não estou fazendo as coisas que eu queria estar fazendo!
- AFF Ramina, é só ir lá e fazer!
É o que eu sempre digo para os outros. E é bem verdade que quando se trata de mim mesma o …