Pular para o conteúdo principal

Não é um filme de Hollywood

*Se você também foi tiete de HSM toca aqui*


Eu fui/sou fã de High School Musical.

Se você nasceu no final dos anos 90 ou no início dos anos 2000 (o primeiro filme foi lançado em 2006), muito provavelmente você também foi fã de HSM para os íntimos da trilogia.
Eu me encantava pela escola (digo, pelos armários), pelas atividades que a escola oferecia, pelas músicas, pelo teatro, pelo romance, pela Gabriela e pelo Troy Bolton (ahh o Troy, meudeusoTroy). 

Lembro-me que na época eu ainda não tinha computador e muito menos internet em casa (meu primeiro PC foi adquirido quando eu tinha mais ou menos 11 anos) e tinha que pedir R$2,00 pra minha mãe pra ir até uma lan house do meu bairro e ficar 2 horas pesquisando sobre a vida de todos os atores (principalmente o ZAC). Foram bons anos em que minha única preocupação era apenas saber de vidas alheias à minha. Saudades.

Eu sempre fui uma criança muito criativa e sonhadora; até hoje boa parte dessas características me acompanham. Eu adorava fantasiar a realidade com os filmes que eu assistia, me arrumar e pensar como a minha personagem preferida pensaria (Gabriela Montez era minha inspiração, hehe). Daí ontem eu me deparei com o vídeo acima e, só pra contextualizar, os dois indivíduos no vídeo interpretavam os vilões da trilogia HSM, Sharpay e Ryan Evans. 

Antes de cantarem o dueto proposto, que ficou lindo por sinal, eles conversaram um pouco sobre a época do filme e sobre como é bom lembrar os velhos tempos, as relações que tiveram, etc. E então chegamos no ponto central do assunto deste post. Em dado momento do vídeo (ative a tradução em português), eles revelam que não se davam muito bem na época das gravações. PASME; eles eram irmãos no filme, eles se davam bem no filme, mas na vida real eles se odiavam. 

Confesso que fiquei meio frustrada com essa revelação mas depois parei pra refletir: A vida real não é como um filme de Hollywood. Não é mesmo. Nem os atores dos filmes são como nos filmes. E eu sei que você já sabe disso, mas a gente tem uma mania boba de fantasiar as relações da nossa vida como se tivéssemos algum roteiro ou controle sobre elas e a qualquer momento podemos dizer CORTA! e aí tudo vai parar e podemos mudar pessoas de posição, sentimentos e etc.

Seria maravilhoso se fosse assim, mas não é. A gente é como os dublês: Nos jogamos nas situações sem saber se vai dar ruim ou não. E esse é o legal da vida, não saber o que acontece no capítulo seguinte.

Para de querer dirigir esse filme por que não vai rolar. Deixa o roteiro com quem sabe o que está fazendo e se joga nas oportunidades.

Xero no cangote. 


Postagens mais visitadas deste blog

Não é Solidão, é Solitude.

"Entende-se por solitude o pleno contado consigo mesmo. Isso quer dizer que não há a necessidade de estar sempre em companhia de outras pessoas e não há solidão por isso. Esta pessoa está bem com ela em tempo integral, mas convive muito bem com os outros. Veja que há um contato direto consigo mesmo, podendo passar vários dias em um lugar sozinho e se sentindo pleno; mas há também uma plenitude ao estar com alguém."  (via: Maura De Albanesi)
Veja bem, eu gosto de estar na companhia das pessoas que eu amo. Mesmo. Me sinto completa com barulho de família ao meu redor. Quando rola, adoro passar tempo de qualidade com os amigos e/ou com o namorado. Mas eu também sinto um prazer indescritível no silêncio. 
Tipo agora. Estou em casa, são 10:08AM, minhas irmãs ainda estão dormindo e a casa está silenciosa, por hora. Eu posso fechar os olhos e respirar fundo. Sinto uma paz imensa. Me faz bem. Eu curto a minha própria companhia e já recusei saídas por ela (eu/mim). 
Eu costumo brincar…

"O mínimo para viver" e a constante exaltação do corpo magro

"- Eu estava saindo do meu apartamento um dia e uma pessoa que eu conheço há muito tempo, da idade da minha mãe, me disse: Olha para você! Eu tentei explicar que emagreci por causa de um papel, mas ela continuou: Não, eu quero saber o que você está fazendo, você parece ótima! Eu entrei no carro com a minha mãe e disse: É por isso que existe o problema." - Lily Collins, em entrevista para a revista The Edit.

"O mínimo para viver" é um filme original da Netflix (que por sinal, vem arrasando nas produções ultimamente) que fala sobre distúrbios alimentares. Há algum tempo eu havia feito o download no aplicativo para ver num momento oportuno. Daí que hoje, num intervalo de 2 horas de espera no curso da minha irmã, eu resolvi assistir pra matar o tempo e cheguei à conclusão de que não poderia ter feito melhor escolha.

Ellen (Lily Collins) é uma garota de 20 anos que sofre de anorexia. Por causa de seu temperamento conturbado e difícil, ela foi expulsa de diversas clínicas …

TOP 3 "Boys Crush" de toda minha vida (fictícios ou não)

A melhor parte de ser blogueira, apesar de eu ainda não me encaixar bem nesse termo (e também não imaginar outro melhor do que esse para me definir), é poder colocar a imaginação para funcionar em temas como o de hoje. A ideia veio deste post no blog da Tati; lá ela fez com garotas da ficção, aqui vou fazer com os boys, sejam eles fictícios ou não, e depois a gente faz uma edição especial pras garotas (quem sabe amanhã).

Mas primeiro, um esclarecimento: A ideia de "crush" pra mim é muito pessoal e intransferível. A maioria das pessoas entendem o crush como uma pessoa por quem você alimenta uma paixão platônica. Eu entendo o crush como alguém por quem você possui uma admiração massa, uma vontade de trocar ideia, fazer amizade, etc. No caso do post de hoje, vou falar nos dois sentidos, então vamos usar as seguintes definições: CRUSH LOVE e CRUSH FRIENDZONE.

Simbora!


#1: CAIO CASTRO (Crush Friendzone)


O Caio é algo recente na minha vida (tipo 2013). Eu sei. Pasmem. Ano passado e…