Pular para o conteúdo principal

Eu guardo o sábado. O que é isso?


O objetivo desse texto não é evangelizar você, apesar do tema ter à ver com religião. É só que hoje é sexta a noite para a maioria das pessoas, mas pra mim já é sábado. Daí eu resolvi vir aqui falar um pouco sobre como é isso de guardar o sábado e, como muitos pensam, ficar 24 horas sem "fazer nada".

Mas, para começar essa conversa, vamos ter que voltar lá no comecinho, quando Deus criou esse mundinho. Em Gênesis 2: 1 e 2, a Bíblia relata que Deus abençoou e santificou o sétimo dia (sábado) como sendo um dia sagrado, um dia em que o homem e a mulher deveriam descansar no sentido literal da palavra. Essa orientação se repete nos 10 mandamentos, em Êxodo 20. E apesar de todas as discussões geradas em cima da santificação desse dia, eu não vou me ater a comprovações, vou simplesmente dizer que eu acredito no sábado como sendo o dia escolhido por Deus para descansarmos. Logo, todo meu planejamento semanal, faculdade, trabalho, tudo é previamente planejado para terminar no pôr-do-sol de sexta-feira. 
Por que do pôr-do-sol de sexta ao pôr-do-sol de sábado (Levítico 23:32), nós descansamos, respeitando assim as 24 horas sabáticas.

E o que, afinal de contas, nós fazemos no sábado? 

Eu já recebi perguntas curiosas e absurdas como: Você toma banho no sábado? Você se alimenta? Liga a luz? Levanta da cama?

Isso por que muitas pessoas entendem o sábado como um dia em que não fazemos absolutamente nada. E eu confesso que por muito tempo eu me questionei sobre o que de fato podemos fazer no sábado. Certa vez eu indaguei alguém de minha confiança e admiração sobre esse assunto e a resposta foi a seguinte: No sábado fazemos aquilo que não podemos deixar para fazer em outro momento. 

Desde então minha compreensão à respeito desse dia mudou completamente. E eu fico extremamente feliz em pensar que lá no princípio Deus pensou especialmente em mim, ao saber que em 6 dias da semana estaríamos tão absorvidos pela rotina, tão estressados com a vida e cheios de obrigações, que precisaríamos de um diazinho só pra relaxar e fazer aquelas coisas gostosinhas, que muitas vezes não temos tempo de fazer em outros dias. 

Mas é importante dizer que o sábado não é só uma dia para nós mesmos, mas um dia para cuidarmos uns dos outros. Nos reunirmos em uma congregação, sairmos para ajudar outras pessoas, nos envolvermos em causas sociais, dentre outros temas relevantes para que o mundo seja um pouquinho melhor a cada dia.

Enfim, apesar de nem sempre estarmos nessa vibe sabática, afinal, cada vez mais, se torna difícil desligar nossos pensamentos da rotina conturbada, seguimos tentando fazer do sábado um dia deleitoso, com pensamentos elevados a um Deus que cuida de nós, desde quando nem existíamos. 

Os comentários estão aí pra gente falar mais sobre isso, espero que tenha dado para ter um vislumbre do que esse dia especial significa pra mim e para algumas outras pessoas.

<3

Postagens mais visitadas deste blog

Não é Solidão, é Solitude.

"Entende-se por solitude o pleno contado consigo mesmo. Isso quer dizer que não há a necessidade de estar sempre em companhia de outras pessoas e não há solidão por isso. Esta pessoa está bem com ela em tempo integral, mas convive muito bem com os outros. Veja que há um contato direto consigo mesmo, podendo passar vários dias em um lugar sozinho e se sentindo pleno; mas há também uma plenitude ao estar com alguém."  (via: Maura De Albanesi)
Veja bem, eu gosto de estar na companhia das pessoas que eu amo. Mesmo. Me sinto completa com barulho de família ao meu redor. Quando rola, adoro passar tempo de qualidade com os amigos e/ou com o namorado. Mas eu também sinto um prazer indescritível no silêncio. 
Tipo agora. Estou em casa, são 10:08AM, minhas irmãs ainda estão dormindo e a casa está silenciosa, por hora. Eu posso fechar os olhos e respirar fundo. Sinto uma paz imensa. Me faz bem. Eu curto a minha própria companhia e já recusei saídas por ela (eu/mim). 
Eu costumo brincar…

"O mínimo para viver" e a constante exaltação do corpo magro

"- Eu estava saindo do meu apartamento um dia e uma pessoa que eu conheço há muito tempo, da idade da minha mãe, me disse: Olha para você! Eu tentei explicar que emagreci por causa de um papel, mas ela continuou: Não, eu quero saber o que você está fazendo, você parece ótima! Eu entrei no carro com a minha mãe e disse: É por isso que existe o problema." - Lily Collins, em entrevista para a revista The Edit.

"O mínimo para viver" é um filme original da Netflix (que por sinal, vem arrasando nas produções ultimamente) que fala sobre distúrbios alimentares. Há algum tempo eu havia feito o download no aplicativo para ver num momento oportuno. Daí que hoje, num intervalo de 2 horas de espera no curso da minha irmã, eu resolvi assistir pra matar o tempo e cheguei à conclusão de que não poderia ter feito melhor escolha.

Ellen (Lily Collins) é uma garota de 20 anos que sofre de anorexia. Por causa de seu temperamento conturbado e difícil, ela foi expulsa de diversas clínicas …

TOP 3 "Boys Crush" de toda minha vida (fictícios ou não)

A melhor parte de ser blogueira, apesar de eu ainda não me encaixar bem nesse termo (e também não imaginar outro melhor do que esse para me definir), é poder colocar a imaginação para funcionar em temas como o de hoje. A ideia veio deste post no blog da Tati; lá ela fez com garotas da ficção, aqui vou fazer com os boys, sejam eles fictícios ou não, e depois a gente faz uma edição especial pras garotas (quem sabe amanhã).

Mas primeiro, um esclarecimento: A ideia de "crush" pra mim é muito pessoal e intransferível. A maioria das pessoas entendem o crush como uma pessoa por quem você alimenta uma paixão platônica. Eu entendo o crush como alguém por quem você possui uma admiração massa, uma vontade de trocar ideia, fazer amizade, etc. No caso do post de hoje, vou falar nos dois sentidos, então vamos usar as seguintes definições: CRUSH LOVE e CRUSH FRIENDZONE.

Simbora!


#1: CAIO CASTRO (Crush Friendzone)


O Caio é algo recente na minha vida (tipo 2013). Eu sei. Pasmem. Ano passado e…